Licensa

30/08/2013

Entender é sempre limitado - Programa Provocações Antônio Abujamra

(2) Viver, ouvir e ler | via Facebook
Não entendo. Isso é tão vasto que ultrapassa qualquer entender. Entender é sempre limitado. Mas não entender pode não ter fronteiras. Sinto que sou muito mais completa quando não entendo. Não entender, do modo como falo, é um dom. Não entender, mas não como um simples de espírito. O bom é ser inteligente e não entender. É uma benção estranha, como ter loucura sem ser doida. É um desinteresse manso, é uma doçura de burrice. Só que de vez em quando vem a inquietação: quero entender um pouco. Não demais: mas pelo menos entender que não entendo.

Facebook

28/08/2013

Resenha do filme: "Bicho de sete cabeças"

O filme é baseado no livro Canto dos Malditos de Austregéliso Carraro e traz uma família de Classe Média, em que seu filho mais novo Neto (Rodrigo Santoro), vive em um mundo sem "regras" acorda tarde, não quer nada com nada, fuma a sua maconha com os amigos, até então comportamentos normais de um típico adolescente rebelde, até que um dia ele é preso pichando com alguns amigos e é levado para a delegacia, a partir deste dia seu Pai, seu Wilson (Othon Bastos, em uma excelente atuação), começa a prestar mais atenção no comportamento do jovem, e percebe que ele não se encaixa no padrão dito "normal" para a sua idade, e se preocupa com o que os vizinhos vão falar, ou seja, a moral aparece sutil em contrapartida com a vontade e os desejos próprios de um jovem que quer apenas vivenciar a adolescência.
Mas quando Neto chega um dia em casa e joga seu casado no chão o pai vai juntar e reclama do filho ser um malandro que não quer nada com a vida, cai um cigarro de maconha! Meu filho é um viciado ele pensa, e não respeitando o espaço do filho e nem procurando saber se a maconha é realmente dele, o pai reúne a família e decidem internar o jovem, ou seja, internar o "louco" é um questão de honra, pois a família não passa por nenhum constrangimento e se livra daquilo que incomoda. A partir dessa conversa ele convida o filho para ir visitar um amigo em um clínica. Neto topa, chegando no lugar ele é surpreendido por 2 enfermeiros que já o carregam pelo braço, aplicam uma injeção de sossega leão e o levam para um quarto isolado. Ele pergunta a todo momento cade o pai? Afirma que ele não fez nada, e que não é viciado... ele é ouvido? NÃO, simplesmente jogado em uma "jaula" aprisionado como um animal que é medicado para não oferecer "perigo" a uma sociedade moralista que se diz normal.
O Pai seu Wilson, desova o filho ali naquele lugar sem nem ao menos ter tido uma conversa com o filho para ouvir o lado dele, e o que ele tinha para falar. Aceita o fato de Neto ser um louco, sim louco pois ele não funciona mais como um filho perfeito em uma família perfeita. Passa a ser um objeto de humilhação e castigo, bem como o hospital psiquiátrico era visto como uma instituição encarregada de castigar e corrigir certas falhas morais, mas que falhas são estas? A sociedade agora é dona do que eu posso ou não posso fazer? 
Quando Neto é inserido no contexto daquele hospital, ele é visto como mais um louco, mais um brinquedo que pode ser medicado sem ao menos ser ouvido, as condições do lugar são precárias, a regra é CLARA, tome seu remédio para o Doutor saber que você está se comportando, mas quando alguém ousa desafiar, é levado para uma sala preso a uma maca para receber descargas de eletrochoques (hoje PROIBIDAS nos hospitais Psiquiátricos) para mostrar quem está no poder, quem manda, torno a questionar: ERA OUVIDO? a resposta é clara NÃO! Pois é muito mais fácil medicar do que entender, trabalhar, pois o "louco" medicado é igual a uma fera domesticada, ele faz o que manda o que você quer, ou seja, os sujeitos eram expostos ao embrutecimento e esperava-se docilidade em troca, mas de que maneira? MEDICANDO? 
Ao decorrer do filme tem uma cena que eu gostaria de enfatizar, é quando Neto acorda pela manhã e está tomando seu café, quando o "Doutor" passa pelo refeitório e todos os internados estão atrás dele e Neto vai a sua procura para dizer que houve um mal entendido que ninguém falou com ele, ou fez algum exame para afirmar que ele era viciado em drogas. Então o Doutor passa como se não existisse ninguém somente ele, novamente a Loucura é Ignorada e os questionamentos acerca dela também! todos perdem a sua voz. Ressalto ainda que em outra cena o Doutor vai até Neto e este com a esperança de ser finalmente ouvido é apenas examinado, sim ele pega o estetoscópio e examina a sua respiração. Neto está de costas para ele falando sobre o mal entendido que aconteceu com ele, quando ele se vira cade o Doutor, foi embora, não apenas ele , mas a esperança de encontrar a resposta para toda aquela situação vivenciada. 
Quando a sua família chega para a sua primeira visita, o Doutor alerta os pais de que os medicamentos estão fazendo efeito, mas que o paciente pode apresentar, delírios, alucinações, como por exemplo inventar histórias que não existem, mas era tudo culpa dos remédios. Novamente o papel da domesticação das instituições, o cala a boca deles é pequeno redondo e branco, e junto a sua voz o seu eu ficam aprisionados em algum lugar dentro deles, esperando para sair a qualquer momento, mas impedidos pelo sistema e pela moral da sociedade. Neto está bastante agitado na visita relata todos os horrores e humilhações que está sofrendo na instituição, mas os pais dizem: " É NECESSÁRIO" "VOCÊ PRECISA PASSAR POR ISSO". É realmente visto como um louco, pois um lugar tão bonito como este, como pode não gostar? É fácil falar para quem não está vivenciando, só aponta o dedo para o outro de maneira que este é obrigado e desempenhar este papel longe da sociedade, para não incomodar!
Neto só sai do seu pesadelo, quando a sua mãe sofre com a sua ausência, a sua falta é sentida, sentiram falta do louco, queremos ele de volta domesticado e se comportando direitinho! Mas as marcas do que passou ficam, e Neto não consegue levar a sua vida como antes, o pesadelo o persegue..... internado novamente em outra instituição, Neto é exposto novamente a toda a humilhação e domesticação, mas dessa vez, a loucura é ainda mais evidenciada, com um enfermeiro que está no poder e dicotomiza a loucura de maneira que a identidade de cada um sofre uma fusão com o local, e todos passam a ser uma só voz, a voz da liberdade!
O Filme é excelente e traz bem a questão do movimento da Reforma Psiquiátrica e a Humanização no tratamento com os internos, pois desde os primórdios da Humanidade o diferente é tachado de louco e excluído da sociedade, pois as famílias eram poupadas de uma humilhação perante a sociedade, ou seja, tinham vergonha, era (ou ainda é) muito mais fácil afastá-los da sociedade do que tratar a loucura em si de maneira compreensível e humanizada, é possível perceber, o que muitas pessoas passaram em instituições psiquiátricas, abandonadas, e solitárias..... eles não viviam eles eram calados! Fonte

Resenha do Filme: "Diário de um Adolescente"

JANINA OLIVEIRA DE ANDRADE
16 ANOS
Ganhadora do prêmio de melhor resenha do filme Diário de um Adolescente.

O filme Diário de um Adolescente é baseado em uma história real, onde quatro meninos entram na vida do crime, no inicio tudo era uma brincadeira mas acabam entrando em um caminho sem volta.
Eles começam a se drogar, no início tudo era muito normal, eles se drogavam e iam para as ruas, para eles tudo era uma diversão e estando sob o efeito da droga eram capazes de fazer qualquer coisa.
Quando as pessoas se drogam e tornam-se dependentes, elas ficam perdidas em mundo de tráfico, sem terem a consciência de que estão acabando com as suas vidas.
Neste filme, quando os jovens estavam sobre o efeito das drogas, eles tinham coragem para matar e roubar sempre para adquirirem mais dinheiro para comprar drogas. Um jovem quando está viciado, ele abandona os pais e acha que nada mais importa, deseja apenas sentir a adrenalina possuindo o seu corpo, sem imaginarem que as drogas causam um fim destruidor, eles não percebem que elas estão acabando com as suas vidas e com a imagem que eles tem para a sociedade, quando percebem isso já é tarde demais estando totalmente dependentes do uso da droga. Assim todos vêem que o fim de um viciado é acabar sozinho, sem ajuda muitas vezes até dos próprios pais, acabam presos ou mortos. 
Porém, se a pessoa tiver força de vontade, acreditar, lutar e procurar ajuda ela pode ser capaz de sair do vício, tendo assim uma chance de salvar a sua vida e fazer com que isto seja uma lição para o mundo dando o seu testemunho de como a droga iria acabar com a sua vida e de como se livrou dessa porcaria que não leva a lugar nenhum. Fonte



"A criatividade de Jim Carroll não foi destruída pelas drogas, e as experiências que viveu nessa fase são retratadas em seu livro “The Basketball Diaries”, que deu origem ao filme dirigido por Scott Kalvert (Ruas Selvagens). Considerada por muitos como a melhor performance de Leonardo Di Caprio, o filme traz no elenco Mark Wahlberg (O Vencedor) e Juliette Lewis (Simples Como Amar). Além de um ótimo roteiro o filme também uma trilha sonora muito bem produzida. O filme brasileiro “Bicho de Sete Cabeças” com Rodrigo Santoro (em excelente atuação) é outro filme que trata do assunto de forma verdadeira e bem próxima da realidade de nossos jovens".
Escrito por Lucyano Jorge

27/08/2013

Arte e Eutonia

É uma prática corporal criada pela dinamarquesa Gerda Alexander, com aplicação nas áreas de educação, saúde e artes. A palavra Eutonia tem sua origem no grego e significa: “Tônus harmonioso" (Eu = harmonia e Tonia = tônus). Esta abordagem tem como objetivo harmonizar, regular o tônus corporal e desenvolver a consciência dos reflexos posturais e do movimento, gerando novos padrões de equilíbrio e de alinhamento do eixo central do corpo. Sua aplicação auxilia na reintegração da imagem corporal, por meio de toques e movimentos.
A prática da Eutonia nunca atua no corpo pela via mecânica, trabalhando com imitação de posturas predefinidas ou propondo interferência direta sobre a respiração. Ao contrário, solicita o tempo todo, a participação ativa do aluno, que é conduzido a se manter presente e atento ao que se passa com seu corpo. O eutonista procura despertar o curador interno do aluno.
Assim, a Eutonia amplia a consciência do próprio corpo, das sensações que dele emergem, da sua relação com o espaço e com o outro. Propõe o direcionamento da atenção, o que ajuda no desenvolvimento da concentração e da percepção do que se passa dentro e em torno de nós.
Suresh Panda Truong - Likes
Gerda Alexander
A criadora da Eutonia nasceu na Alemanha, em 1908, e fundou a primeira escola de formação, em Copenhagem, na Dinamarca. Gerda era uma pessoa muito ligada às artes, especialmente a música. Ela sofria de endocardite, contraída em sua juventude, e desenvolveu o método da Eutonia a partir da observação precisa e cuidadosa sobre si mesma e seus alunos. Fonte

Crianças e Música Clássica

Itaú: Crianças e Música Clássica

“Música clássica é uma música calma e alegre” Halyria, 6 anos.

A leveza de ser criança combina com a seriedade da música clássica? O Itaú respondeu essa pergunta em uma propaganda divulgada nos anúncios do Youtube, que faz parte do projeto #issomudaomundo.
No vídeo, a companhia bancária desafia um grupo de crianças, com menos de 10 anos, a explicarem o que é música clássica. Muitos não conseguem, outros admitem não conhecer e um menino afirma ser chato, afinal, “só tem piano, não tem guitarra e bateria”. Após o questionamento,a fim de mudar opiniões, eles acompanham as mesas crianças até uma apresentação da Orquestra Jovem de São Paulo. 
Tenho certeza que Tchaikovsky suspiraria fundo ao ver o vídeo, portanto, assista e suspire. 
Música clássica é uma música calma e alegre” Halyria, 6 anos.
A leveza de ser criança combina com a seriedade da música clássica? 
No vídeo, a companhia bancária desafia um grupo de crianças, com menos de 10 anos, a explicarem o que é música clássica. Muitos não conseguem, outros admitem não conhecer e um menino afirma ser chato, afinal, “só tem piano, não tem guitarra e bateria”. Após o questionamento,a fim de mudar opiniões, eles acompanham as mesas crianças até uma apresentação da Orquestra Jovem de São Paulo. 
Tenho certeza que Tchaikovsky suspiraria fundo ao ver o vídeo, portanto, assista e suspire.
(...) a linguagem musical tem sido apontada como uma das áreas de conhecimentos mais importantes a serem trabalhadas na Educação Infantil, ao lado da linguagem oral e escrita, do movimento, das artes visuais, da matemática e das ciências humanas e naturais. Em países com mais tradição que o Brasil no campo da educação da criança pequena, a música recebe destaque nos currículos, como é o caso do Japão e dos países nórdicos. Nesses países, o educador tem, na sua graduação profissional, um espaço considerável dedicado à sua formação musical, inclusive com a prática de um instrumento, além do aprendizado de um grande número de canções. Este é, por sinal, um grande entrave para nós: o espaço destinado à música em grande parte dos currículos de formação de professores é ainda incipiente, quando existe. É preciso investir significativamente na formação estética (e musical, particularmente) de nossos professores, se realmente quisermos obter melhores resultados na educação básica. (...)
O mundo muda cada vez mais rápido!



A música e o desenvolvimento social da criança
(...) À guisa de conclusão, faremos agora uma breve reflexão sobre como podem os pais e adultos que se incumbem da educação de crianças agir em relação à sua formação musical.
Além de cantar, ouça também boa música. Aproveite esse período para ficar a par de boas produções musicais para criança. Muitos pais reclamam, com razão, do lixo musical que infesta os grandes meios de comunicação. Contudo, há um razoável número de CDs de boa qualidade, voltado para o público infantil, como por exemplo, toda a obra de Bia Bedran, a Coleção Palavra Cantada, entre outros. Vale a pena buscar aqueles discos de vinil que fizeram sua alegria quando pequena (Saltimbancos, Arca de Noé, Coleção Disquinho), pois a maior parte deles já se encontra remasterizada para CD. Se você se dispuser a formar um pequeno acervo, não se preocupe com o lixo que seu filho ouvirá lá fora: oferecendo outras alternativas, dentro de casa, certamente ele terá meios para uma escolha mais crítica.
Mais tarde, depois do nascimento, faça dos momentos junto ao bebê momentos de puro prazer: cante enquanto lhe dá banho, faça brincadeiras ritmadas na troca de fralda, toque seu corpo ao ritmo da canção. E, principalmente, não abra mão das cantigas de ninar. Esqueça a conversa de que isso “põe a criança mimada”: atualmente, pediatras são unânimes em estimular esse contato. Lembre-se: criança quieta, que dorme sozinha, que não reclama companhia, nem sempre é sinônimo de criança feliz. Muitas vezes, o bebê super independente de agora, poderá vir a ser o adulto carente de amanhã.
Music
(...) Mais tarde, por volta dos quatro, cinco anos, é comum os pais se perguntarem se não estará na hora de aprender um instrumento. É importante saber que o processo de musicalização deve anteceder o aprendizado de um instrumento específico. Em geral, as boas escolas de música desenvolvem um trabalho anterior, de vivência e sensibilização musical, para depois, quando a criança já se encontra alfabetizada, iniciar as aulas de instrumento e de leitura musical. Se esse for o seu interesse, vá em frente; caso não o seja, insista para que na escola de seu filho a música tenha espaço no currículo. Esse espaço não significa necessariamente uma aula específica de música: no caso da educação infantil, essa fragmentação do trabalho pedagógico nem é a mais indicada pelas tendências educativas mais sólidas. Esse espaço pode ser concretizado mesmo nas atividades de rotina, no repertório utilizado, nas brincadeiras musicais, na frequência a eventos promovidos pela escola. Por outro lado, a presença de um professor especialista, um licenciado em música, pode potencializar um trabalho de qualidade, na parceria com os demais educadores: o importante é que esse trabalho não seja artificial, isolado do projeto pedagógico como um todo.
:)
Por fim, dois lembretes: 1) todas essas atividades e preocupações, desde os embalos para ninar até a verificação do trabalho musical da escola são da responsabilidade de mães e pais, sem exceção; 2) não descuide do repertório. Isso pode parecer difícil, mas tente utilizar a mesma tática da boa alimentação: um fast food, de vez em quando, não faz mal a ninguém, desde que a nutrição básica seja feita por meio de uma dieta balanceada, rica em verduras, frutas, cereais e proteínas. Da mesma forma, os malefícios de se ouvir música descartável na TV podem ser minimizados se, em casa, você “nutrir” os ouvidos e cérebros de seus filhos com música rica, estimulante e de boa qualidade. Fonte

22/08/2013

O que é distimia?

Sadness
Muito se fala sobre depressão e já é diagnóstico fácil e corriqueiro. No entanto, há diversas formas clínicas de depressão que são desconhecidas pela grande maioria da população e rotuladas automaticamente como Depressão.
A Distimia é um transtorno afetivo de personalidade. É um modo de sentir e perceber a realidade de uma maneira melancólica e negativa. Não há um comprometimento severo na vida profissional e social do indivíduo, mas o estado depressivo é a tônica dessa forma de ser.
São pessoas continuamente tristes, com baixa energia, melancólicas, baixa auto-estima e pessimistas. Acentuam demasiadamente os aspectos negativos da vida enquanto os positivos passam desapercebidos e sem importância. Geralmente não são considerados e até desvalorizados pela pessoa.
Ela pode ter uma vida familiar estável e saudável, mas nunca é vista como tal. Sempre falta alguma coisa. Nada a satisfaz.
Os aspectos negativos sempre têm seu impacto maior e se sobressaem, de modo que o indivíduo está quase sempre abatido e desanimado, por causa desses aspectos que “nunca dão certo, nunca melhoram” e que tornam a vida triste e sem graça.
Essa visão faz com que ele se sinta pouco ou nada merecedor de aproveitar e usufruir o lado positivo de sua vida.
Esse ângulo de visão interfere de alguma maneira no rendimento da vida social da pessoa, diferentemente da Depressão, que muitas vezes faz com a pessoa nem saia de casa ou até da cama.
A Distimia permite que a pessoa trabalhe, tenha sua parte de lazer, mas sempre com o lado positivo comprometido, pois há a perda da capacidade de sentir totalmente esse prazer. Há também uma tendência ao isolamento, ansiedade e muitas vezes insônia.
Em crianças, a Distimia pode estar associada ao Transtorno de Aprendizagem, acarretando um comprometimento no rendimento escolar. As mulheres têm 3 vezes mais propensão a desenvolver Distimia.. Pode ter períodos de melhora e piora, incluindo Depressão grave, caso não seja tratada. O melhor personagem para exemplificar esse quadro, seria o da Hiena: “Oh dia! Oh vida! “
As causas são diversas para seu aparecimento, e podem aparecer em dois momentos: Início precoce, se ocorreu antes dos 21 anos e Início tardio se ocorreu aos 21 anos mais ou menos. 
Sendo um estado crônico, seu tratamento inclui medicação e psicoterapia. É importante que a pessoa procure um psiquiatra para que ele faça um diagnóstico preciso do quadro e inicie a medicação adequada. A terapia entra como segunda ferramenta nesse tratamento.
Os dois juntos, levam o indivíduo a perceber o lado positivo e a viver esse lado; ou seja o tratamento permite descondicioná-la de sua visão turva e pessimista que sempre teve de vida e de si mesma.
Texto de Marilena Henriques Teixeira Netto - Artigos de psicologia 

18/08/2013

A criança e seu mundo - Mário Sergio Cortella

When i have kids..
Cortella fala sobre a importância da imaginação infantil, um mundo onde muitas vezes, os adultos não conseguem entrar. Mas, segundo o educador, é preciso criar relações mais próximas com as crianças e saber quais são as suas necessidades e desejos para que possamos formar cidadãos conscientes e atuantes. No entanto, estamos sacando o futuro por antecipação, estamos gastando os meios que permitiriam a existência de próximas gerações. E ainda por cima anunciamos às crianças: モNão haverá futuro, não haverá meio ambiente, não haverá segurança, não haverá trabalho.ヤ

Mário Sergio Cortella: filósofo e educador, diretor de pós-graduação em educação da PUC-SP e integrante do Comitê de Direitos Humanos da PUC/SP. Autor dos livros A Escola e o Conhecimento e Decartes – a paixão pela razão.

04/08/2013

Tem Pai de todo o jeito

photos | via Facebook
Tem pai que ama,
Tem pai que esquece do amor.
Tem pai que adota,
Tem pai que abandona.
Tem pai que não sabe que é pai,
Tem filho que não sabe do pai.
Tem pai ...
Tem pai que dá amor,
Tem pai que dá presente.
Tem pai por amor,
Tem pai por acaso.
Tem pai que se preocupa com os problemas do filho,
Tem pai que não sabe dos problemas do filho...
Tem pai ...
Tem pai que ensina,
Tem pai que não tem tempo.
Tem pai que sofre com o sofrimento do filho,
Tem pai que deixa o filho esquecido.
Tem pai de todo jeito.
Tem pai que encaminha o filho,
Tem pai que o deixa no caminho.
Tem pai que assume,
Tem pai que rejeita.
Tem pai que acaricia,
Tem pai que não sabe onde está o filho que precisa de carinho.
Tem pai que afaga, Tem pai que só pensa em negócios.
Tem... Tem pai de todo jeito.
E você???
Que tipo de pai você é?
Eu quero um pai, apenas um pai que esteja consciente do amor que tem para dividir...
Eu quero um pai, apenas um pai que seja AMIGO!
A todos os Pais, um carinhoso abraço!
Deus Pai os abençoe!

03/08/2013

À DESCOBERTA DO AMOR

Fotos do mural
Ensaia um sorriso 
e oferece-o a quem não teve nenhum. 
Agarra um raio de sol 
e desprende-o onde houver noite. 
Descobre uma nascente 
e nela limpa quem vive na lama. 
Toma uma lágrima 
e pousa-a em quem nunca chorou. 
Ganha coragem 
e dá-a a quem não sabe lutar. 
Inventa a vida 
e conta-a a quem nada compreende. 
Enche-te de esperança 
e vive á sua luz. 
Enriquece-te de bondade 
e oferece-a a quem não sabe dar. 
Vive com amor 
e fá-lo conhecer ao Mundo.

Procura-se ...

The statue of Jesus in clouds in Rio de Janeiro
Procura-se
Mais gente para trabalhar e menos gente para criticar.
Mais gente bem humorada e menos gente queixosa e murmuradora.
Mais gente que faz e menos gente que fala.
Mais gente para dizer que vai dar certo e menos gente para dizer que é impossível.
Mais gente para inspirar outro e menos gente para jogar balde de água fria.
Mais gente para envolver-se nos problemas e menos gente para ficar sentada à beira do caminho.
Mais gente para indicar o que é certo e menos gente para mostrar o que está errado.
Mais gente para acender uma luz e menos gente para amaldiçoar a escuridão.
Mais gente para perseverar no casamento e menos gente que se divorcia sem lutar e perseverar.
Mais gente que ama a santidade e a pureza e menos gente que leva uma vida lasciva dizendo-se de Deus.
Mais gente que ama a generosidade e menos gente que ama o dinheiro e é avarenta.
Mais gente que ama sua igreja e menos gente que pula de igreja em igreja.
Mais gente que persevera na fé em meio ao sofrimento e menos gente que se desvia quando chegam as provações.
Mais gente que investe e ama missões e menos gente que gasta muito com gatos e cães.
Mais gente que firma seus valores e menos gente que abandona a família, a fé, a igreja e a comunhão com Deus e com os irmãos.
Por Pr. Jeremias Pereira da Silva

Ser sustentável devia ser proibido...

fazer reciclagem com malas - Pesquisa Google
Este post está simplesmente bárbaro!... Inspirada pelo vídeo a que assistimos em aula - "Ler devia ser proibido", dos alunos da UNIFACS/Salvador, a aluna Nayene criou um vídeo, ironizando a ideia de que "ser sustentável devia ser proibido"...Fonte
Garota Criatividade