Licensa

22/05/2012

Projeto Mascote da turma!!!

"A ideia inicial surgiu quando lembrei de uma boneca, em forma de galinha, que era o brinquedo itinerante na época em que meu filho mais velho estava na educação infantil. Depois vi no portal do professor do MEC a sugestão de preparar um boneco e realizar as intervenções com a turma. Até o momento tem sido uma experiência mais rica e válida do que eu esperava, o envolvimento da turma está valendo".
QUINTA-FEIRA( 12/04/2012) 
1) Acolhida e roda da conversa: 
"Levei uma caixa com um boneco que confeccionei (em casa) e expliquei que este seria a mascote da nossa turma. Encontrei esta proposta no portal do professor (MEC) e achei bem interessante. Disse que teríamos uma novidade na sala de aula e que todos deviam tocar nesse objeto para tentar descobrir o que seria. Passei a caixa de um por um e os alunos foram dizendo as características que observavam para que a classe adivinhasse. Depois mostrei o boneco e disse que ele(a) faria parte da turma, mas que deveríamos construí-lo juntos. Para começar teríamos que decidir o gênero (se seria menino ou menina) e para isso discutimos quais são as características peculiares de cada um".
Depois definimos as regras:
1ª Cada criança e professor (a) poderá somente fazer uma única intervenção na mascote.
2º A primeira intervenção feita, pela criança, que for exclusivamente de um sexo (masculino ou feminino) irá definir sua identidade sexual Ex: se for colocada nela uma saia, então ela será menina. 
Poderá ficar somente dois dias na casa de cada criança, assim todos terão tempo suficiente para fazer com a família a intervenção que quiser.
A (o) mascote será acompanhada (o) de um fichário (onde na capa pode ser feita com pano uma bolsinha para carregá-la) e nele estarão escritas as instruções para serem lidas junto com a família.
No retorno da mascote à sala de aula será feito registro com fotos, pela professora.
MASCOTE DO 1º ANO 
APRESENTAÇÃO:
Foi criado em conjunto com alunos, professores, pais e familiares uma mascote que parte de um boneco em branco, que recebeu intervenções de todos os alunos/familiares e professores, para que este se torne não só um objeto de construção coletiva, mas um membro da turma sob o qual todos têm responsabilidade e parte no processo de criação. 
OBJETIVO:
• Trabalhar com as crianças a construção coletiva, respeito e cuidado com algo que se caracteriza como patrimônio de todos. 
• Utilizar o diário que acompanhará a construção da mascote, como um gênero textual a ser trabalhado pelos alunos.
• Estimular o grupo a ver o mundo como uma construção de responsabilidade de todos que devemos zelar pelo nosso planeta, pensando em si, no outro e no mundo.
TRABALHO DESENVOLVIDO: 
1. Conversa com os pais, realizada em reunião, explicitando a proposta, pedindo a colaboração e empenho no sucesso do projeto. (Esta etapa já foi realizada na primeira reunião de pais) 
2. Apresentar o boneco às crianças, explicar a proposta de uma forma clara e buscando alcançar os objetivos explicitados acima. 
3. Construção de um diário com orientações aos pais sobre o uso e manuseio do boneco, formas de intervir na construção e orientações para que a criança faça o registro da atividade. 
4. Após a intervenção de todos os alunos e professores da turma, escolher coletivamente um nome para a mascote e posteriormente, o retorno do mesmo às famílias para que todos vejam o trabalho final.
LISTA DE INTERVENÇÕES: 
LEMBRE-SE ESCOLHA SOMENTE UMA OPÇÃO E CASO TENHA UMA SUGESTÃO QUE NÃO ESTEJA NA LISTA, ANOTE-A ABAIXO!
SUGESTÕES DE NOMES PARA A MASCOTE:
"Até o momento os objetivos alcançados superam as expectativas, mais do que uma mascote, a boneca faz parte da realidade da sala e inclusive tem ajudado nas relações interpessoais. Há algumas semanas um aluno foi sorteado e outro começou a chorar por não ter sido contemplado com a presença da boneca em sua casa naquela semana.  O primeiro, comovido procurou espontaneamente o colega e entregou a mascote dizendo que ele poderia levá-la em outra oportunidade. Questionado à respeito disse ter se sensibilizado com o colega. Fiquei impressionada com a atitude, pois este aluno desde o início do ano mostrou-se um dos mais egocêntricos e eu não esperava uma atitude tão solidária. 
Outra situação que me surpreendeu foi o fato de um aluno o qual muitas vezes chamei a atenção por rabiscar a mesa, mexer no material dos colegas, etc. disse que cuidou da mascote com atenção e escondeu da irmã menor para ela não estragá-la. Quando questionado sobre esta preocupação com algo que pertence ao grupo e não somente a ele disse que não gosta de estragar suas coisas e ela (a mascote) era dos outros (alunos) também. 
Toda semana a expectativa aumenta e todos esperam levar a boneca para casa, para passear, até os meninos, que a princípio me preocuparam, pois pensei que pudessem achar que era um brinquedo de menina. Todos gostam muito da mascote e ela está enriquecendo o jogo simbólico, além de auxiliar no desenvolvimento da oralidade".
"Eu gostei de fazer a camiseta, porque meu pai falou que dava muito trabalho fazer olho e eu queria que fosse uma menina".
"Eu gostei de levar o mascote, porque fui passear com ela, cuidei bem porque era da classe e eu queria cuidar bem como se fosse minha".
"Eu coloquei ela para me ver nadar, ela foi uma companheira".
"Eu coloquei ela no banquinho para me ver jogando bola e para assistir TV. Levei no clube".
"Eu gostei de levar a mascote para brincar com a minha irmã, cuidei bem porque não gosto de estragar as coisas e ela era dos outros também".
"Eu queria levar porque eu estava louco para fazer a boca".
"Eu gostei de levar a mascote, porque gostei de participar modificando. Cuidar dela foi legal, igual o livro "Tonho choca o ovo" que o elefante cuidou do ovo da vivoca" 
Estas são as aventuras de um elefante leve. Tão leve que conseguiu fazer o que talvez nenhum outro elefante jamais tenha feito: chocou um ovo - sem quebrá-lo, é claro. (Quem botou esse ovo foi uma ave preguiçosa.) Mas, para realizar tal proeza, Tonho teve de superar certos problemas e enfrentar certas novidades - virar artista de circo, por exemplo, coisa que jamais tinha lhe passado pela cabeça. Como as outras histórias do Dr. Seuss, esta também é uma aventura rimada, repleta de malabarismos com o som e o sentido das palavras.

4 comentários:

  1. Mírian Maciel Gonçalves26.12.14

    Parabéns! Muito Lindo seu trabalho. Obrigada por compartilhar conosco sua experiência.
    Vai ser legal trabalhar com minha turminha.

    ResponderExcluir
  2. Achei muito interessante,as crianças com certeza gostaram.

    ResponderExcluir
  3. Adorei..parabéns!

    ResponderExcluir